terça-feira, 10 de novembro de 2009

Mesmo distante
Faz-se perto
Presente
Vivo...
Como o sol
Que não posso tocar
Mas sinto seus raios
Penetrando meu corpo.
Como o ar que não vejo
Mas enche de vida a minha vida.
Como a chuva que cai e corre
Mas deixa o cheiro de terra molhada.
Como o vento que sopra
E balança a cabeleira das árvores.
Como o orvalho que beija a noite
E deixa respingar sua saliva nas flores.
Como as ondas do mar
Que afagam as pedras
E afoitas se enroscam na areia.
Como a castidade do dia
Quando é rompida pela noite
Que se entrega
Se rende
E se permite
Possuir.
Sou... Sua.

Loana Rios

Nenhum comentário:

Postar um comentário