segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Despedida

Mesmo que não mais possa
Sentir o cheiro do teu corpo
Beijar tua boca
Molhada em êxtase.
Mesmo que não mais possa
Ter tuas mãos
Tocando meus seios
Onde me perdi
Em desejos
Devaneios.
Mesmo que minhas mãos
Não mais percorram
Os caminhos do teu corpo
Os traços do teu rosto
Não toquem o teu sexo.
Contento-me
Contenho-me
Sem tocar
Sem ter...
Amar-te
Num silêncio terno
Mergulhado no meu ser.
Sem esquecer
Do teu encanto
Dos mistérios
Dos teus olhos
Que um dia
Por instantes...
Foram Meus.

Loana